Lesão da cartilagem

A cartilagem é o tecido que recobre os ossos nas articulações como uma “capa protetora”. Sua função é amortecer as forças e traumas incidentes no joelho e diminuir o atrito entre os ossos durante o movimento. No joelho ela recobre o fêmur, a tíbia e a patela podendo ter de 2 a 5 mm de espessura. Infelizmente a cartilagem não tem boa irrigação sanguínea e suas células, chamadas condrócitos, tem baixa capacidade de multiplicação e cicatrização. Estas características fazem com que a cartilagem tenha baixo potencial de cicatrização, ou seja, suas lesões dificilmente curam sozinhas.

Entenda a Lesão de Cartilagem

Uma lesão na cartilagem pode ocorrer em uma torção, batida direta, luxação, fratura, mau-alinhamento dos membros inferiores ou doenças específicas como osteocondrite dissecante, necrose avascular e artrose. A lesão da cartilagem pode ser única e bem definida, como um grande buraco em uma rodovia ou múltipla como vários buracos ao longo da rodovia.

O que sente o paciente com a Lesão de Cartilagem

O quadro clínico da lesão de cartilagem geralmente é de dor, inchaço e travamento eventual da articulação envolvida. Quanto maior o comprometimento da cartilagem, mais grave serão os sinais. Com a progressão da lesão, também ocorre piora dos sintomas até que o paciente eventualmente desenvolva artrose, uma degeneração da articulação.

Qual o tratamento para Lesão de Cartilagem

Nas lesões leves (graus 1 e 2), que são assintomáticas, o indicado é que o paciente se mantenha no peso considerado ideal para suas características físicas, evite, diminua ou modifique as atividades de impacto e o treino das suas atividades esportivas. É muito importante a orientação do ortopedista na modificação do treino das atividades esportivas visando que o paciente continue praticando suas atividades sobrecarregando o mínimo possível sua cartilagem. Também é necessária a realização de exercícios específicos para fortalecer a musculatura do joelho sem sobrecarregar a cartilagem, daí a importância na orientação do médico para que o fortalecimento seja realizado de maneira adequada. O equilíbrio muscular é muito importante e deve ser alcançado balanceando-se fortalecimento e alongamento.

Avaliação 3D do movimento >
Fisioterapia no tratamento da condropatia >

Nas lesões maiores (grau 3 e 4), além das orientações anteriores, existem modernas medicações protetoras da cartilagem, analgésicos, anti-inflamatórios e fisioterapia específica são indicados para aliviar a dor e deixar a região mais resistente e protegida.

A infiltração, onde medicamentos especiais são injetados dentro do joelho, podem amenizar a dor e diminuir o atrito articular, bem como proteger a cartilagem e desacelerar a velocidade do desgaste. Quando indicadas, as mesmas são realizadas após aplicação de anestésico, com o mínimo de desconforto para o paciente.

O tratamento cirúrgico está indicado em alterações graves da anatomia e estabilidade patelar e nas lesões osteocondrais e artrose. O mesmo também é indicado na presença de corpos livres dentro do joelho. O tratamento cirúrgico depende das características do paciente e das características da lesão. É utilizada a técnica que apresenta as maiores taxas de bons resultados de acordo com as características do paciente e da lesão, conforme mencionado e avaliado pelo cirurgião.

Técnicas cirúgicas para tratamento da Lesão de Cartilagem

As técnicas cirúrgicas para tratamento da lesão da cartilagem articular vem sofrendo constante evolução e otimização sendo importante a oferta das opções mais modernas pelo médico ortopedista que deve manter-se sempre atualizado.

Conheça mais sobre as técnicas >
Agendar consulta >

Compartilhe a informação
Especialista
Especialista

Dr. Márcio R. B. Silveira, ortopedista especialista em joelho, ortopedia do idoso e traumatologia esportiva. Criou a Clínica Salus Ortopedia e Fisioterapia em Brasília-DF, para atuar na prevenção e tratamento de doenças ortopédicas. Especializado e atuante no tratamento da condropatia atráves de orientações adequadas para os pacientes sobre as terapias, que são conservadoras (sem cirurgia), com protocolos eficazes, evitando agravamento da doença da cartilagem e a necessidade de procedimentos invasivos, além de suporte de avaliações posturais e do movimento, medicações e reabilitação direcionada.

No Comments

Escreva uma Mensagem ou Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *